Web Content Viewer (JSR 286)

Ações
Carregando...

Central de programação

Cine Sesc Paracatu Abril


    1. 07
      28
    2. Evento: Mostra Cine Sesc - "Territórios Hostis"
      Hora: 16h
      Local: Sesc Paracatu

      Rua Euridamas Avelino de Barros, 347 - Lavrado

      Informações: (38) 3311-3808

      Sessões gratuitas aos domingos, sempre às 16h


     

  • Programação 2019

    Cine Sesc discute os territórios e o pertencimento com a Mostra "Territórios Hostis"

    Os territórios são expressões do conflito entre os homens. A discussão em torno desse tema aponta diretamente para os fatores que o propiciam: as desigualdades sociais, a ganância por lucros, a especulação imobiliária e o desrespeito por populações tradicionais e históricas, os despossuídos de terra e origem (no caso, os refugiados). Enfim, a falta de compreensão em torno desses conflitos possibilitam debates fundamentais sobre o tema. Mais uma vez são questões muito importantes a serem fomentadas nas escolas por estimularem uma visão crítica e consciente acerca dos conflitos que envolvem territórios. Fica difícil abordar o tema do território sem pensar, em paralelo, sobre a questão econômica da terra. O que é mais importante: a sobrevivência dos povos e a harmonia entre eles, ou a imposição da lei dos mais fortes e poderosos que almejam com a terra apenas aumentar seus lucros ou seus bens? Como se vê, essa é uma problemática complexa, ampla e necessária que merece cuidadosa atenção.

    A escolha dos filmes desta Mostra foi realizada para evidenciar o quanto a questão do território não é só um fenômeno brasileiro. Trazemos aqui exemplos vindos da Argentina e da França, mas poderiam ser de muitas outras partes do mundo, já que essa problemática atinge várias culturas: a presença de refugiados vindos de países onde a deflagração da guerra afasta as famílias. Essa situação cria uma diáspora em que os costumes culturais são obrigados a tentar sobreviver em territórios hostis, em crise, onde esses despossuídos são vistos mais como ameaça do que como possibilidade de enriquecimento cultural. O cinema, então, cumpre o importante papel de propiciar discussões e aprofundar as oportunidades de convívio social. Por isso mesmo, recomendamos os quatro filmes para serem debatidos amplamente em escolas, lugares privilegiados para o fomento da formação de jovens que podem contribuir para amenizar a intolerância que normalmente envolve o tema.

    Confira a programação:

    07/04 - Era o Hotel Cambridge (Eliane Caffé | 89min | 12 anos)

    Refugiados recém-chegados ao Brasil dividem com um grupo de sem-tetos um velho edifício abandonado no centro de São Paulo. Além da tensão diária que a ameaça de despejo causa, os novos moradores do prédio terão que lidar com seus dramas pessoais e aprender a conviver com pessoas que, apesar de diferentes, enfrentam juntos a vida nas ruas

    14/04 - Fatima ( Philippe Faucon | 79min | 10 anos)

    Fatima cria sozinha as duas filhas: Souad, de 15 anos, adolescente rebelde; e Nesrine, de 18 anos, começando os estudos de medicina. Ela não fala bem francês, o que frustra sua comunicação com as filhas, mas ainda assim ambas são a razão para que ela siga em frente. Um dia, em seu emprego como empregada doméstica, ela cai de uma escada. Convalescendo, escreve em árabe tudo o que nunca conseguiu dizer às filhas em francês.

    21/04 - O futuro perfeito ( Nele Wohlatz | 65min | livre)

    Xiaobin, uma jovem chinesa de 17 anos, está perdida em um mundo novo. Após se mudar para a Argentina sem falar nenhuma palavra em espanhol, ela busca um rumo para seu futuro. Poucos dias depois de sua chegada, novos caminhos já vinham sendo traçados: ela já tinha um novo nome, Beatriz, e um emprego em um supermercado chinês. Ao se matricular em uma escola de línguas, a jovem vai aos poucos aprendendo novas palavras, ao mesmo tempo em que seu futuro é delineado.

    28/04 - Martírio (Vincent Carelli, Ernesto de Carvalho, Tatiana Almeida | 160min | 12 anos)

    Uma análise da violência sofrida pelo grupo Guarani Kaiowá, uma das maiores populações indígenas do Brasil nos dias de hoje e que habita as terras do centro-oeste brasileiro, entrando constantemente em conflito com as forças de repressão e opressão organizadas pelos latifundiários, pecuaristas e fazendeiros locais, que desejam exterminar os índios e tomar as terras para si.

    Boa sessão!