Web Content Viewer (JSR 286)

Ações
Carregando...

Central de programação

Mostra Sesc de Cinema 2019 Paracatu


    1. 11
      13
    2. Evento: Mostra Sesc de Cinema 2019
      Hora: Conforme programação abaixo
      Local: Sesc Paracatu

      Rua Euridamas Avelino de Barros, 347 - Lavrado

      Informações: (38) 3311-3808

      Entrada gratuita. Veja a programação abaixo.


     

  • De novembro a dezembro, o Sesc Paracatu recebe a 3ª Mostra Sesc de Cinema

    Do Norte ao Sul do país, a memória brasileira ganha narrativas e construções através do audiovisual, uma linguagem que também documenta e dá visibilidade a histórias do povo por meio das câmeras. É com essa amplitude que a Mostra Sesc de Cinema chega em sua terceira edição. Lançada em 2017, a Mostra conta com produções de todas as regiões do país, procurando ampliar o acesso da população a uma filmografia que expresse a diversidade da produção brasileira contemporânea.

    Na edição de 2019 foram inscritos 1200 filmes, entre curtas, medias e longas-metragens, provenientes de 210 cidades. Deste universo foram selecionadas 32 produções, que compõem o Panorama Brasil, além de 10 filmes do Panorama Infanto Juvenil. E as produções mineiras estão muito bem representadas: além dos 3 filmes selecionados nos panoramas nacionais (Navios de Terra, de Simone Cortezão; Plano Controle, de Juliana Antunes, e Poética de Barro, de Giuliana Danza), teremos o Panorama Estadual, com 25 filmes de realizadores de várias regiões do estado.

    A Mostra será lançada entre os dias 2 e 9 de novembro em Paraty-RJ. Após isso, as obras selecionadas serão exibidas em todo país até 15 de dezembro de 2019. O Sesc Paracatu exibirá todos os filmes da Mostra, com exibições gratuitas entre os dias 11 de novembro e 13 de dezembro. Confira a programação, e faça sua agenda!

    NOVEMBRO

    11/11, 09h: Panorama Infanto juvenil - Programa Infantil 01 (45 min | livre)

     Vivi lobo e o quadro mágico  (Curitiba, PR | ficção | 2019): Muito prazer! Meu nome é Vivi Lobo. Essa história é sobre as portas que devemos abrir ao longo da vida, enquanto humanos, enquanto meninas.

     Icamiabas (Belém, PA | ficção | 2018): Um explorador comercial inveterado, o Bio Pirata, foi até a feira do Veropa para pilhar bem no dia em que as Icamiabas tinha ido fazer a feira para Tupam. Derrotado, ele decide se vingar juntando as duas inocentes criaturas, o Mapim e o Guari em uma enorme e destruidora força de comer que pode acabar com a Feira do Veropa rapidinho, o insaciável Mapimguari!

     Hornzz (Rio de Janeiro, RJ | ficção | 2019): Hornzz é um curta de animação 2d de Lena Franzz. A inspiração de experiências pessoais da autora é contada por meio de uma linguagem surrealista.

     

     Lily's hair (Goiânia, GO | ficção | 2019): Lily é uma garota negra que mora com sua família no Conjunto Vera Cruz, bairro da periferia de Goiânia. Ela se orgulha muito de sua negritude, mas não gosta de seus cabelos. Com a ajuda de Caio, seu amigo cadeirante, faz de tudo para conseguir fazer com que seus cabelos fiquem do jeito que sempre sonhou.

    11/11, 15h: Panorama Infanto juvenil - Programa Infantil 02 (57 min | livre)

     Clandestino (Aracaju, SE | ficção | 2017): Tereza é uma garota comum com uma imaginação nada comum. No caminho para encontrar sua mãe e entregar uma encomenda muito preciosa, sua imaginação corre livre pelas paisagens do interior. O que poderia ser mais uma viagem de ônibus em companhia de sua avó se torna uma grande aventura.

     A câmera de João (Goiânia, GO | ficção | 2017): O filme acompanha a jornada do garoto João que traz consigo as heranças e memórias de seu avô Zeca retratados através da curiosidade e paixão pela fotografia. Curioso, João interage com as lembranças da cidade e com as memórias dos seus avós.

     O malabarista (Goiânia, GO | doc | 2017): Documentário em animação sobre o cotidiano dos malabaristas de rua, que colorem a rotina monótona das grandes cidades.

     

    12/11, 15h: Panorama Infanto juvenil - Programa Jovem (56 min | 14 anos)

     Poética de barro (Belo Horizonte, MG | ficção | 2019): Bucólico, delicado e sensível, o curta-metragem Poética de barro, animado em stop motion com argilas brasileiras, retrata a saga de uma pequena criatura que precisa sobreviver às vicissitudes da vida. Se todas as barreiras serão transpostas, apenas assistindo para descobrir.

     Cravo, lírio e rosa (Rio de Janeiro, RJ | ficção | 2018): Cê, uma menina de oito anos, tropeça no cadáver de uma adolescente. A aparição do corpo muda drasticamente a vida de Cê e de sua irmã mais velha, Sara. A mais nova se comunica com os mortos como válvula de escape para a solidão, enquanto a mais velha tem que lidar com assédio e com a vulnerabilidade de seu corpo.

     Parda (Magé, RJ | doc/ficção | 2019): Um regime autoritário planeja restaurar a supremacia branca no Brasil. Sua primeira medida é exigir a volta ao país de todos os brasileiros brancos vivendo no exterior. Em meio ao caos político, Tai precisa provar que não é branca, mas se depara com a própria incerteza sobre sua identidade racial. O filme desbrava o território ambíguo do conceito de raça no Brasil, seguindo rastros deixados pelo passado colonial e pela história familiar da diretora. Uma viagem exploratória entre a ficção e o documental.

    13/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Norte 01 (93 min | 12 anos)

     O céu dos índios Desâna e Tuiuca (Manaus, AM | doc | 2017): O documentário de média-metragem, dos diretores Flávia Abtibol e Chicco Moreira, empreende uma verdadeira aventura por rios amazônicos para tentar desvendar os vestígios de um saber pouco conhecido pelos brasileiros: a astronomia indígena produzida por duas etnias amazônicas. Os Desâna e Tuiuca dominam o conhecimento do céu como saber complementar às suas vidas na terra. Este olhar peculiar estabelece uma relação de cumplicidade entre a terra e o céu que a cultura ocidental tem dificuldades em firmar.

     Vozes da memória (Porto Velho, RO | doc | 2018): Vozes da memória, através do registro audiovisual, mostra o olhar contemporâneo da história a partir das vozes da periferia, da juventude, dos artistas, das comunidades indígenas, dos ribeirinhos e imigrantes.

     

     Francisco (Rio Branco, AC | ficção | 2018): Francisco tenta viver a sua vida longe de tudo o que lhe faz lembrar um episódio específico na sua infância: a morte do pai, que fora vítima de um crime de ódio difícil de superar. Mas ao encontrar documentos antigos em arquivos velhos em casa, passa a entender o seu papel como homem negro e a importância da luta contra o racismo no Brasil.

     Chamando os ventos: por uma cartografia dos assobios (Belém, PA | doc  | 2018): Chamando os ventos: por uma cartografia dos assobios é um documentário sobre a ação imaginária de chamar os ventos por meio de assobios, uma dinâmica que envolve entretenimento, ancestralidade, afetividade e memória.

    14/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Norte 02 (102 min | 16 anos)

     No Rio das Borboletas (Manaus, AM | doc | 2017): Uma escolha, uma consequência. Quando duas irmãs ficam em um impasse se vão ou não em busca de ajuda para a mãe enferma, a decisão muda para sempre o destino das quatro mulheres. Erasmia e Doriana, as duas capazes de decidir. Kallima, irmã mais nova, é autista e vive em um mundo à parte, e Rosa, impotente, só aceita a decisão de embarcarem em uma canoa em busca de ajuda.

     A besta pop (Belém, PA | ficção | 2018): Em um futuro distópico durante o último dia que antecede o apocalipse, em meio à implementação de um governo totalitarista, fanatismo religioso e a alienação da sociedade, um grupo de jovens decide burlar o toque de recolher como modo de escapismo do tédio de suas vidas. Eles têm seus caminhos entrelaçados no melhor lugar para estar no fim do mundo, na festa A Besta Pop.

    15/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Nordeste 01 (73 min | livre)

     Orin: música para os Orixás (Salvador, BA | doc | 2018): Os cantos e ritmos tocados nos terreiros de candomblé tiveram grande influência na construção rítmica de diferentes gêneros da música popular brasileira, como samba, baião, axé music e funk carioca. Orin é o nome iorubá dado às cantigas sagradas do candomblé, que têm o papel de fazer a comunicação entre o mundo material e o espiritual. O documentário longa-metragem mostra a trajetória de Iuri Passos, professor de atabaque no terreiro do Gantois, em Salvador, e primeiro alabê a conquistar o título de mestre em etnomusicologia pela UFBA. Praticantes da religião, pesquisadores e artistas como Mateus Aleluia, Letieres Leite, Gerônimo Santana e Gabi Guedes falam sobre a resistência dessa tradição musical e sua relação com a dança, transe e mitologia dos orixás.

    18/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Nordeste 02 (92 min | 16 anos)

     Ilha (Muritiba, BA | ficção | 2018): Emerson, um jovem da periferia, quer fazer um filme sobre a sua história na Ilha, lugar onde quem nasce nunca consegue sair. Para isso, ele sequestra Henrique, um premiado cineasta. Juntos, eles reencenam a própria vida, com algumas licenças poéticas. O plano começa e a partir de então não há mais limites, afinal, cinema também é jogo.

    19/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Nordeste 03 (115 min | 14 anos)

     Estrangeiro (João Pessoa, PB | ficção | 2018): Estrangeiro é uma viagem sensorial e poética nas memórias de Elisabete (Cecilia Retamoza), uma jovem mulher que viveu sua infância na paradisíaca praia de Tabatinga, no Nordeste do Brasil. Devido a um misterioso trauma, Elisabete abandonou seu lar e nunca mais permaneceu em um só lugar. Aos trinta anos, ela anseia por uma identidade. Elisabete não se sente confortável em sua própria pele, uma estrangeira em seu mundo.

    20/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Nordeste 04 (89 min | livre)

     Mateus (Recife, PE | doc | 2017): Dois palhaços. Uma estrada. Muitos encontros. Jurema e Bandeira sobem em um Fusca 78 a caminho da Zona da Mata norte-pernambucana, em busca dos palhaços da cultura popular: os Mateus, dos grupos de cavalo-marinho, companheiros da brincadeira de fazer sorrir.

    21/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Nordeste 05 (65 min | 12 anos)

     Tipoia (Maceió, AL | ficção | 2018): Paulo está com seus movimentos reduzidos por uma tipoia e se sente impotente por isso. Mas será ele a única pessoa a se sentir impotente no Brasil de 2016?

     

     Aqueles dois (Fortaleza, CE | doc | 2018): Caio José tem 25 anos e é enfermeiro. Kaio Lemos tem 38 e é pesquisador acadêmico. Eles têm boa formação intelectual, amigos e família, e em nada se diferenciam dos tantos rapazes que vivem realidades similares, não fosse pelo fato de serem homens transgêneros.

     Aurora (Aracaju, SE | doc | 2017): No palco de um teatro destruído assistimos a uma peça teatral em que Elizabeth, Mercedes e Crisalida, três mulheres negras em diferentes etapas da vida, revivem tudo o que sofreram com a interpretação de seus próprios conflitos na forma de monólogos interiores. 

     Rasga mortalha (São Domingos, PB | ficção | 2018): Baseado na lenda da “Rasga Mortalha", o filme conta a história de Seu Arlindo — um senhor que vive no interior da Paraíba —, que passa a ouvir os rumores da vizinhança e os barulhos da coruja agourenta. Preocupado com a situação, Seu Arlindo passa a acreditar que a coruja está matando as pessoas do município. Assim, ele planeja a captura da ave para acabar de vez com a tristeza da população local.

    22/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Sul 01 (75 min | 12 anos)

     Abrindo as janelas do tempo (Bombinhas, SC | ficção | 2017): Aprisionada em si mesma, a personagem central luta para encontrar-se e viver no presente. Suas confusões temporais envolvem o espectador fazendo-o experimentar de perto essas vivências. A história se passa num vilarejo caiçara em três épocas diferentes, revelando muita sensibilidade. O filme traduz uma história de amor, de perda, espera e de aceitação.

     Almofadas de penas (Florianópois, SC | ficção | 2018): Logo após sua lua de mel, Alicia contrai uma doença inexplicável, enquanto seu marido Jordão presencia tudo de modo indiferente. Algo oculto a está enlouquecendo. A doença faz a jovem mulher mesclar a realidade com alucinações monstruosas.

    25/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Sul 02 (76 min | livre)

     Euller Muller entre dois mundos (Curitiba, PR | doc | 2018): Euller Miller é um jovem indígena brasileiro da etnia Kaiwá que sai de sua pequena aldeia nos arredores de Dourados (MS) para cursar odontologia em uma universidade pública na populosa capital do estado do Paraná. O filme acompanha sua complexa transição entre dois mundos contrastantes e a busca de novos horizontes que não impliquem na perda de suas raízes indígenas.

    26/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Sul 03 (64 min | livre)

     Catadora de gente (Porto Alegre, RS | doc | 2018): Catadora de gente é Maria Tugira Cardoso. Há 30 anos a personagem do filme dedica sua vida à catação de lixo. Com sua fala lúcida a respeito da vida e de suas complexidades, Tugira narra sua história e propõe ao espectador uma reflexão profunda sobre as desigualdades sociais do Brasil.

     Quando as coisas se desmancham (Curitiba, PR | doc | 2018): Ana é uma adolescente que retorna a Natal para se reaproximar do pai, que está com Alzheimer. Nesse meio-tempo, ela se prepara para as provas do Enem, dá seus primeiros passos nas artes e se pergunta sobre quais caminhos a seguir. Há uma relação clara entre a degradação de um, o florescimento de outro e a busca pelas memórias

     Isso me faz pensar (Porto Alegre, RS | doc | 2018): "Isso me faz pensar" apresenta a realidade de jovens da periferia de Porto Alegre que vivem a cultura hip hop, enquanto enfrentam cotidianamente situações de preconceito, escassez e violência. Do raro protagonismo feminino em um ambiente dominado pelos homens às dificuldades em manter o trabalho com a música, a dança ou a poesia. Batalhas de slam, feiras livres, oficinas em escolas, marchas e shows acabam sendo para estes batalhadores um ato de resistência.

    27/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Centro-Oeste 01 (85 min | 12 anos)

     Quilombo Mata Cavalo (Nossa Senhora do Livramento, MT | doc | 2018): No Quilombo Mata Cavalo, quilombolas distribuídos em seis comunidades resistem para preservar seus traços culturais, manter a integração comunitária e conquistar a regularização das terras herdadas de seus ancestrais.

     Parque Oeste (Goiânia, GO | doc | 2018): Depois de ser vítima de violência do Estado, em Goiânia, Brasil, uma mulher reconstrói sua vida, transformando seu luto em luta.

     

    28/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Centro-Oeste 02 (81 min | 12 anos)

     A praga do cinema brasileiro (Brasília, DF | ficção | 2018): O filme se inicia com uma ficção de terror com o personagem Zé do Caixão indo ao Congresso Nacional rogar uma de suas famosas pragas. Ao fim da praga, quando bate o seu poderoso tridente no chão, ele liberta filmes “aprisionados pelo Capetal”. A partir de então o curta se utiliza de vários recortes de filmes brasileiros, que datam de 1962 a 1991, ficções e documentários, que foram encadeados a fim de criar uma narrativa que refletisse o Brasil de 2018, num complexo trabalho de pesquisa e montagem.

     

     Guará (Goiânia, GO | ficção | 2019): No cerrado habitam lobos-guarás e bandeirantes.

     

     Majur (Rondonópolis, MT | doc | 2018): A pedido de Majur, o documentário foi gravado em segredo da família. LGBTQ, e é porta-voz e responsável pela Chefia de Comunicação em uma aldeia indígena no interior de Mato Grosso. Acompanha, assessora e traduz do bororo para português, assim foi gravado um breve processo de sua vida pessoal e profissional.

     Entre parentes (Brasília, DF | doc | 2018): Um ano após impeachment presidencial, Brasília recebe a maior mobilização indígena durante a 14a edição do Acampamento Terra Livre, no final de abril. Enquanto isso, na mesma Esplanada dos Ministérios que abriga barracas de povos indígenas de todo o Brasil, parlamentares articulam uma agenda de retrocessos à causa indígena. Os parentes não deixarão de lutar.

    29/11, 15h: Panorama Brasil - Programa Sudeste 01 (70 min | 12 anos)

     Navios de terra (Belo Horizonte, MG | ficção | 2018): Há anos a montanha é deslocada entre dois países (Brasil e China). Rômulo, ex-minerador e agora marinheiro, segue levando parte da montanha e vai ao encontro de outra. Na imensidão do mar, ele conhece outros viajantes, e em momentos febris encontra as memórias e o espírito da terra. Num cotidiano atravessado por outras línguas que ele não fala, mesmo sem entender, as conversas em desencontro acontecem. Assim, Rômulo vai enfrentar dias lentos na imensidão do oceano até o outro continente.

    ​DEZEMBRO

    02/12, 15h: Panorama Brasil - Programa Sudeste 02 (89 min | 12 anos)

     Fabiana (São Paulo, SP | doc | 2018): Fabiana, mulher trans, vive como uma caminhoneira nômade por todo o Brasil durante mais de trinta anos. Porém, a aposentadoria se aproxima e ela deverá deixar para trás suas aventuras na estrada.

    03/12, 15h: Panorama Brasil - Programa Sudeste 03 (68 min | 12 anos)

     

     Da curva pra cá (Vitória, ES | ficção | 2018): Dizem que, quando você está sonhando, a única forma de descobrir se é um sonho é acender a luz.

     

     

     Jéssika (Rio de Janeiro, RJ | ficção | 2018): Anos após deixar sua casa, a travesti Jéssika retorna para sua cidade natal e para a casa de sua mãe.

     

     Do outro lado (São Paulo, SP | doc | 2018): Às vésperas de uma importante decisão, a juíza da Corte Suprema de Taiwan recebe uma carta inesperada.

     

     Plano controle (Belo Horizonte, MG | ficção | 2018): O ano é 2016. Um golpe da direita derruba a primeira mulher eleita presidenta no Brasil. Nesse contexto político distópico, Marcela usa o serviço de teletransporte de seu celular para deixar o país, mas seu plano é controle.

    04/12, 15h: Panorama Estadual - Programa 01 (72 min | 12 anos)

     Um certo Maralonso (Ubá | doc | 2019): Misto de assassino profissional e entidade metafísica, Mário Alonso foi um homem que aterrorizou as pequenas cidades da Zona da Mata de Minas Gerais. Famoso por roubar cavalos, é lembrado pela sua ousadia nos crimes, por desafiar o Estado e por seus dons inexplicáveis em um tempo que as pessoas só se preocupavam em se alimentar.

     Onde estará João Vinagre? (Lima Duarte | doc | 2018): Depois de perder o pai de forma inesperada, a cineasta vive o luto mergulhando nas fotos e documentos de recordação que foram deixados por ele e realiza um documentário que relembra a vida do mesmo e reflete sobre a oscilante relação entre os dois.

     Impermeável Pavio Curto (Sabará | ficção | 2018): Jaqueline tem aquilo que muitos chamariam de personalidade forte. A adolescente vive com a tia e enfrenta alguns problemas na escola. Sua companhia diária é uma bicicleta, com a qual passeia pelo bairro. Um dia, Jaqueline e a tia pegam a estrada, mas as coisas não saem como o esperado.

     Baixa Funda, O destino de um povo (Urucuia | doc | 2018): Dona Joana, descendente de negros e índios, mãe de 11 filhos, relata suas histórias, anseios, crenças e o cotidiano na lida da vida rural na Comunidade Baixa Funda, em Urucuia, Minas Gerais.Ela é a personagem central e a figura mais emblemática da comunidade. Por ser a mais velha, esta senhora guarda a sabedoria da vida e a história de seus antecedentes. É ela que transmite oralmente, assim como aprendeu, do seu modo simples, os fatos e causos ocorridos nos tempos passados.

    05/12, 15h: Panorama Estadual - Programa 02 (80 min | 14 anos)

     Vaga Carne (Belo Horizonte | ficção | 2019): Média-metragem transcriação da peça teatral Vaga Carne, um solo performado e escrito por Grace Passô, em linguagem cinematográfica. Em sua história, uma mulher vive a urgência do discurso, a urgência de renomear o mundo e nomear-se, à procura de suas identidades e de pertencimento.

     Ar da Memória (Belo Horizonte | doc | 2019): O filme traz uma investigação acerca do som, com imagens captadas a partir daí, trazendo depoimentos de diferentes artistas - a dançarina Dudude Herrmann, o cineasta Cao Guimarães, a atriz e dramaturga Grace Passô, o músico Marcos Moreira e o artista plástico Nuno Ramos, que se transformam em poéticas visuais a partir da escuta, “ar da memória”.

     Teoria sobre um planeta estranho​ (Cordisburgo | ficção | 2019)Um casal em lua de mel vive um contratempo.

     

    06/12, 15h: Panorama Estadual - Programa 03 (82 min | livre)

     Papagaio verde (Belo Horizonte | ficção | 2017): Ao perder seu papagaio, uma dupla de amigos pensa em invadir um quintal. Mas a vida de um deles está prestes a mudar.

     

     Fronteiras (Mariana | doc | 2018): Quem são e como vivem os haitianos que moram na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). Angetona, Wisler, Alex, Bradley e Phanel revelam as dificuldades e alegrias de se viver em um país estrangeiro explorando as identidades, a saudade, o racismo, a xenofobia, a cultura e diversos outros temas do cotidiano de um imigrante no Brasil.

     Entre Amazonas e Tupis (Belo Horizonte | doc | 2017): Através das vozes de diversos clientes, somos inseridos no cotidiano do Nonô, o Rei do Caldo de Mocotó, bar localizado entre a Avenida Amazonas e a Rua Tupis, em Belo Horizonte. Com 55 anos de história, o estabelecimento serve como um ponto de vista a partir do qual olhamos e observamos a capital mineira. Nos diversos encontros e casos que ali se dão, nos tornamos espectadores das vivências do centro da cidade.Os dois conversam sobre as distâncias, o futuro e as amizades.

    09/12, 15h: Panorama Estadual - Programa 04 (58 min | 14 anos)

     Malandro de Ouro (Belo Horizonte | ficção | 2019): "Na esperança do mais alto pedestal O teu castelo ruiu Numa poeira infernal". Com alguns ecos do cinema marginal, "Malandro de Ouro" agencia estereótipos atribuídos à malandragem numa trama que envolve mistério, fantasia e vingança.

     A Mulher Que Eu Era (Contagem | ficção | 2019): “A Mulher Que Eu Era” acompanha o cotidiano de Cacau, mulher negra que casa com um homem branco. Dentro sua rotina ela encara suas lembranças e, em um contexto onírico, suas memórias lidam com momentos passados de opressão.

     Esse Curto Espaço de Tempo (Montes Claros | ficção | 2018): Após um tempo sem se verem, dois amigos se reencontram depois que um deles retorna de uma viagem. Os dois conversam sobre as distâncias, o futuro e as amizades.

    10/12, 15h: Panorama Estadual - Programa 05 (81 min | 14 anos)

     Logo após (Belo Horizonte | ficção | 2018): Sônia é enfermeira e está desempregada. O retorno ao lar materno na meia idade tem sido conflituoso com Dona Dirce, benzedeira forte do bairro Boa Vista. Viciadas em TV, elas assistem a história do aborto clandestino da amiga Karolaine virar notícia. Logo após, Sônia movimenta-se em busca da jovem Alice. No percurso, os reencontros confrontam o aprisionamento diante da maternidade e dos próprios desejos.

     Fosfeno (Belo Horizonte | ficção | 2018): Teçá é uma jovem solitária que trabalha como DJ e sofre com suas memórias vívidas. Durante seu setlist em uma festa, uma mulher tira uma foto de Teçá. Essa mulher continua aparecendo pelo seu caminho.

     Peixe (Belo Horizonte | ficção | 2018): Marina é uma jovem mulher que trabalha em Belo Horizonte realizando entregas com a sua bicicleta.

     

     Aurora (Belo Horizonte | ficção | 2019): Renata é uma mulher de classe média, casada e mãe de dois filhos, que vive em uma grande cidade brasileira. Entre o crepúsculo e o amanhecer de um dia qualquer, ela enfrenta questões de gênero típicas da atualidade, que se materializam em momentos agradáveis e desagradáveis, pequenos dilemas, sentimentos e emoções.

    11/12, 15h: Panorama Estadual - Programa 06 (60 min | 12 anos)

     Guaiamum (Belo Horizonte | ficção | 2017): Animação em stopmotion da canção Guaiamum, de Silvério Pessoa, interpretada por ele e Ana Cristina para o livro e CD Aquático

     

     Emissora Glossário (Belo Horizonte | ficção | 2018): Ensaio semi-abstracionista envolvendo a colisão e o paralelismo entre o telespectador e a imagem.

     

     Animal Indireto (Belo Horizonte | ficção | 2018): Marina é uma jovem mulher que trabalha em Belo Horizonte realizando entregas com a sua bicicleta.


    12/12, 15h: Panorama Estadual - Programa 07 (65 min | livre)

     Custos (Belo Horizonte | doc | 2018): Moradores das regiões atingidas por três projetos de hidrelétricas - Sobradinho (Bahia, 1971-1978), Belo Monte (Pará, 2011-em construção) e Panambi (Rio Grande do Sul, planejada para ser construída em um futuro próximo) - desenham, cantam e falam sobre suas percepções acerca das situações vividas em depoimentos emocionados que discorrem sobre a imaterialidade dos custos envolvidos em tais obras. O documentário é uma reflexão sensível sobre violações, sobre o colapso da natureza, sobre identidade e memórias, agora submersas, porém vivas.

     Conte isso àqueles que dizem que fomos derrotados​ (Belo Horizonte | doc | 2018): A noite é tempo de luta (ou há um novo lugar possível sendo avistado no horizonte).

     

     Favela em Diáspora​​ (Belo Horizonte | doc | 2018): Em meio a uma desapropriação o que fica ? Memórias, de um povo que está à margem do asfalto. Moradores do Morro do Papagaio relatam através de suas vivências como o processo de migração compulsória realizado por um projeto da prefeitura, provoca uma ruptura em suas histórias.

    13/12, 15h: Panorama Estadual - Programa 08 (65 min | livre)

     Arteiro (Belo Horizonte | ficção | 2018): Tomé é um jovem rapper que deixou de acreditar em seus sonhos. Agora, internado em uma Unidade Socioeducativa, ele tenta reencontrar na música um novo caminho para seguir.

     Quando as Marias falam​ (Belo Horizonte | doc | 2019): Documentário feito no abrigo Maria Maria, casa de acolhimento e proteção a mulheres, cis e trans, em situação de rua em Belo Horizonte. O filme foi concebido dentro do projeto “Quando as Marias Falam - Histórias e Memórias Através da Roupa", de Matheus Couro, que reúne oficinas de arte e moda como suporte para um lugar de escuta e troca, possibilitando dar voz a histórias e memórias, narrativas singulares.

    Agende-se para acompanhar o máximo que a Mostra oferece. Boa sessão!