Web Content Viewer (JSR 286)

Ações
Carregando...

Central de notícias

|

Tesouros do Sesc: Família Nascimento

Na juventude, energia é o que não falta, certo? Para os jovens desta família, nem sempre foi assim.
Publicado em 24/07/2015 às 09:43Atualizado em 24/07/2015 às 17:03

Da rua sem asfalto e sem nome surge a casa de tijolos. Pequena, modesta, sem acabamento, cercada por arame. No terreiro, próximo à margem do rio São Francisco, dois burros aproveitam a sombra da árvore e a brisa que forma redemoinhos de areia. Os cachorros correm e rolam no chão, levantando a poeira. Um senhor chega do rio com uma dúzia de peixes no cesto da bicicleta. Uma senhora aparece na janela e convida para um café. Do outro lado, bicicletas trazem os outros moradores da casa chegando da cidade. O sol se põe e a pequena casa se enche de luz e vida.

Esta é mais uma família brasileira que luta a cada dia pela sobrevivência. Os Coutinho Nascimento moram nos arredores de Januária, no Norte de Minas, e encontraram na pesca o sustento. Adilson, Adelson e Maria Aparecida têm 16, 17 e 20 anos, respectivamente. Eles são irmãos, ela é tia deles. Todos moram com os avós. Ao todo, são 11 pessoas na casa, que carregam semelhanças como o enrolar das mãos, o olhar para baixo ao conversar e o sorriso envergonhado. Sorriso este que não era para todos. Os três mais jovens não sorriam, e não era apenas por timidez.

Por falta de informação e acesso aos recursos mais básicos, uma série de problemas de saúde bucal foi se agravando. A situação levou ao bullying na escola e, assim, eles passaram a evitar até o mais modesto sorriso. A história começou a mudar com uma visita do projeto do Sesc Educação em Saúde nas Escolas. Em uma atividade com a turma do 6º ano, Adilson foi chamado a participar na frente da classe. Os colegas questionaram: "mas foram chamar logo o boca fedendo?”. O jovem ficou de cabeça baixa e quase não conversou. Atenta ao problema, a equipe verificou a possibilidade de uma consulta na carreta OdontoSesc, unidade móvel de atendimento gratuito, que estava no município na mesma época.

Os colaboradores do Sesc descobriram também que o irmão Adelson, estudante do 7º ano, e sua tia Maria Aparecida, do 9º ano, também enfrentavam dificuldades semelhantes. "Nunca tínhamos ido ao dentista porque soubemos que seria muito caro", contou Maria Aparecida. Iniciado o tratamento, os três compareceram a todas as consultas marcadas durante duas semanas. Quando, no final, o dentista apresentou o espelho para os meninos, os sorrisos apareceram de imediato. “O Sesc trouxe a primeira oportunidade para eu tratar os dentes. Recuperei a vontade de sorrir”, comemora Adilson. Perguntado sobre como está a vida na escola, o garoto respondeu: "Está bem melhor! Eles (os colegas) não me atentam mais”.

As portas também se abriram para Maria Aparecida. Com o sorriso no rosto, ela conta do emprego que conseguiu e do sonho que nasceu após o tratamento dentário. "Comecei a trabalhar em uma casa de família, cuidando de uma senhora. Por hora, está bom, mas eu vou continuar com os estudos para ser igual a eles". Igual a quem, Maria Aparecida? "Igual aos dentistas! Fiquei encantada com o trabalho deles. Um dia vou ser dentista e vou fazer todo mundo sorrir", conta a jovem, que voltou a sonhar.

Nas unidades móveis OdontoSesc, os profissionais realizam procedimentos como restaurações em resina fotopolimerizável; tratamento de canal; cirurgias simples (extrações e restos radiculares); remoção de tártaro; limpeza e escovação supervisionada; confecção e fixação de coroas; pontes fixas provisórias; radiografias odontológicas e identificação e encaminhamento de casos de patologias bucais e sistêmicas para atendimento especializado. Além de atendimentos odontológicos, serão realizadas palestras sobre cuidados com a saúde em instituições públicas parceiras no projeto, como as escolas municipais.

Já o projeto Educação e Saúde nas Escolas trata de temas como higiene, alimentação, sexualidade, saúde bucal, combate às drogas e à dengue em instituições públicas de ensino em todas as regiões mineiras.

Adilson, Adelson e Maria Aparecida são #tesourodosesc. Conhece alguém assim? Então nos mande o mapa!

Se você conhece a história de alguém que viveu uma experiência transformadora depois que conheceu o Sesc, conte essa história! Envie texto e foto para tesouros@sescmg.com.br. Sua experiência pode virar mais uma pedra preciosa em nosso baú de tesouros.

  1. Na juventude, energia é o que não falta, certo? Para os jovens desta família, nem sempre foi assim.  Quase sem esperanças, eles finalmente descobriram que eram jovens demais para não sorrir.